236 650 600

Redes Sociais

Ação Social e Saúde

 
PCHI

pchi 2011

O Programa Conforto Habitacional para Pessoas Idosas (PCHI), foi criado pelo Despacho n.º 6716-A / 2007, de 5 de Abril, com alterações introduzidas pelo Despacho n.º 3293/2008, de 11 de Fevereiro.
Este programa tem por base uma política social de incremento das condições de vida das pessoas idosas, nomeadamente através da melhoria do conforto das suas habitações, por forma a permitir que estas permaneçam, o mais tempo possível, no seu meio habitual de vida. Estas melhorias traduzem-se em obras ao nível do edificado e na aquisição de equipamento indispensável.


O que é?
O PCHI visa a qualificação habitacional com o objectivo de melhorar as condições básicas de habitabilidade e mobilidade das pessoas idosas que usufruam de serviços de apoio domiciliário, de forma a prevenir e a evitar a institucionalização.
Este programa resulta de uma parceria entre a Segurança Social e os Municípios, concretizando-se mediante a celebração de protocolos.


Condições para ter acesso?
1. Ter 65 anos ou mais.
2. Ter um rendimento mensal por pessoa do agregado familiar que não ultrapassa o valor do IAS.
3. Viver em casa própria ou viver há pelo menos 15 anos numa casa que não tenha registo de propriedade e onde não paga renda.
4. Precisar de melhorias na casa e/ou precisar de equipamento para melhorar o seu conforto.
5. Estar a usufruir de serviço de apoio domiciliário ou a frequentar um Centro de Dia (ou precisar de melhorias na sua casa para poder começar a fazê-lo).
6. Morar sozinho ou com:
• outra(s) pessoa(s) idosa(s); 
• familiar(es) com deficiência;
• crianças e jovens com menos de 18 anos;
• adultos que sejam estudantes e não tenham rendimentos do trabalho nem estejam a receber subsídios por não estar a trabalhar.

Quem pode pedir?
O idoso ou o seu representante legal.

Onde se pede?
Na Câmara Municipal da área de residência.

Formulário e documentos necessários?
O requerimento de candidatura encontra-se disponível na Câmara Municipal da respectiva área de residência dos distritos abrangidos e deve ser devidamente preenchido e assinado pelo idoso ou pelo seu representante legal.

O processo de candidatura deve ser acompanhado dos seguintes documentos:
•  Cópia dos seguintes documentos do idoso e das pessoas que vivem com ele: 
- Documento de identificação válido (cartão de cidadão, bilhete de identidade, passaporte ou certidão do registo civil);
- Cartão de contribuinte;
- Cartão de identificação da segurança social ou cartão de outro sistema.

•  Documento comprovativo de que é o proprietário da habitação ou, se não for possível obter tal documento: 
- Certidão da matriz predial da qual conste a inscrição do prédio em nome do beneficiário e declaração da junta de freguesia que ateste que o requerente habita no imóvel há pelo menos 15 anos;
- Certidão passada pela conservatória do registo predial que mostre que a casa não está em nome de outra pessoa e declaração da junta de freguesia a confirmar que mora nessa casa sem pagar renda há pelo menos 15 anos.

•  Cópia dos comprovativos dos rendimentos e das pensões ou subsídios recebidos nos 3 últimos meses pelo idoso e pelas pessoas que vivem com ele nos casos em que estes rendimentos não sejam pagos pela segurança social.

•  Cópia da sentença judicial que declarou a inabilitação do idoso, se o requerimento de candidatura tiver sido assinado pelo representante legal. 


Como são seleccionadas as candidaturas?
A decisão relativa à candidatura é comunicada ao requerente pelos serviços competentes do município no prazo máximo de 60 dias contados da data da sua apresentação.

Quais as melhorias abrangidas?
Melhorias ao nível do edifício
•  Melhoramentos na cobertura, nas paredes e na caixilharia de portas e janelas; 
•  Criação ou adaptação de espaços (como casas-de-banho e cozinhas); 
•  Melhoramentos de espaços já existentes (por exemplo, colocando lavatórios, sanitas, banheiras e bases de duche); 
•  Adaptações que facilitem o acesso à habitação (nomeadamente a construção de rampas). 
Melhorias ao nível do equipamento
•  Compra de mobiliário (cama, colchão, mesas, cadeiras, etc.); 
•  Compra de electrodomésticos (fogão, frigorífico, esquentador, máquina de lavar roupa, aspirador, ventoinhas, aquecedores e televisão). 

Quem paga as melhorias?
As melhorias serão pagas pelos Municípios e pela Segurança Social.

 

Este site utiliza cookies para melhorar a sua experiência online!